0 comentários fechados

Para além da sofisticação dos cafés parisienses, saiba por que o cafezinho diário – expresso ou feito em casa – também merece atenção.

Da música popular brasileira, passando pela literatura mineira, provas da escola, pesquisas científicas e inúmeras padarias e esquinas deste vasto território nacional. O café (ou Kahoua, Qahwa, termos árabes que significam “o excitante”) é tema para economia, história, pesquisas, música, poesia, gastronomia e definições da cultura brasileira. Não é à toa que a bebida milenar e cotidiana de tantos brasileiros está na boca do povo há pelo menos dois séculos. Trazido às escondidas da Guiana Francesa, por volta de 1727, pelo Sargento-Mor Francisco de Mello Palheta, os primeiros grãos de Café Arábica (produzido em altitudes maiores) fecundaram em terras nacionais a pedido do então governador do Maranhão que conhecia o grande valor comercial da planta mundo afora e solicitou a Palheta que desse um jeito de trazer uma muda às terras tupiniquins.

Em sua trajetória pelo Brasil o café viajou pelo Maranhão, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Minas Gerais e passou de uma posição relativamente secundária para produto-base da economia brasileira. Com base nos dados divulgados pela Abic (Associação Brasileira da Indústria de Café) em março deste ano, o consumo do produto chegou a 19,72 milhões de sacas em 2011. Estima-se que o brasileiro tenha consumido, em média, 4,81kg de café no ano passado – o maior nível de consumo em 45 anos – conforme informou também o Ministério da Agricultura. Estes números aproximam o Brasil do maior consumidor mundial da bebida: os Estados Unidos, que teve 33 milhões de sacas comercializadas em 2011. Com a chegada das estações amenas e dos dias mais frescos o cafezinho feito em casa ou os tradicionais e mais consumidos “expressos” das padarias e conveniências são ainda mais solicitados. Sozinhos ou acompanhados de bolos, petit fours doces e salgados, macarons e pães franceses, é nesta época que o café faz valer, mais do que nunca, sua presença no paladar nacional. Pensando nesta presença importante que a bebida tem à mesa brasileira a Confeitaria Romana dá algumas dicas para escolher e saborear um bom expresso ou então fazer aquele café em casa, além de disponibilizar uma receita exclusiva a base destes grãos tão preciosos.


Como identificar um café expresso de primeira!

O café “espresso” (em italiano) ou expresso é o café preparado sob pressão, tirado em doses individuais para ser saboreado logo após a extração. A bebida é resultante da combinação de aromas e sabores e, para prepará-lo adequadamente, as Confeitarias Romana utilizam grãos nacionais frescos de alta qualidade (Café Gourmet) que são moídos e comprimidos de forma específica para que a água passe sob pressão e mantenha as características da qualidade. O expresso é concentrado (7g de pó para até 50ml de água), encorpado e com retrogosto super agradável. É coberto por um denso creme cor de avelã (marrom claro) em toda superfície da xícara, cuja espessura deve estar entre 3mm e 4mm. O creme permanece na xícara por um longo período marcando e aderindo a parede da porcelana. E fique atento, pois se este creme estiver espesso e duradouro é sinal de que o expresso foi bem tirado. Quem quiser provar outras delícias da Confeitaria Romana – também à base de café – não pode deixar de experimentar: o Coffee-Shake Romana (Sorvete de Creme, Café, Licor de Café e Chantilly), o Café Moka (Calda de Chocolate, Café, Espuma de Leite e Chantilly), o Café Irlandês (Whisky, Café, Açúcar Mascavo e Chantilly), o Espuma Café (Café Expresso, Creme de Leite e Chocolate Meio Amargo), o Dolce Vita (Leite Condensado, Café Espresso Duplo e Chantilly), o Café Forte (Café Espresso, Calda de Chocolate, Conhaque e Leite Vaporizado), o Cappuccino Submarino Alpino (Cappuccino Romana com Bombom Alpino) e o Cappuccino Submarino Romana (Cappuccino Romana com Borda e Raspas de Chocolate).

 

Feito em casa


Mesmo o cafezinho feito em casa merece cuidados, confira as dicas!

•Quanto melhor o café, maior é a extração e melhor o sabor da bebida;

•Confira a data de fabricação. Grãos recém-torrados têm mais sabor;
•O café moído se deteriora facilmente em função do ar, da umidade, do calor, do tempo e do contato com odores. Tenha-o sempre acondicionado e distante destes riscos. Guarde-o em um recipiente com boa vedação (pode guardá-lo na geladeira, caso queira).
•A água utilizada deve ser pura e limpa. Utilize sempre água filtrada ou mineral na preparação do café.
• Prepare somente a quantidade de bebida que vai ser consumida imediatamente ou, no máximo, durante a hora  seguinte.
• O tempo de contato entre água e café deve ser:
– Para moagem fina – até 4 minutos
– Para moagem média – de 4 a 6 minutos
– Para moagem grossa – de 6 a 9 minutos

*Este tempo varia conforme o equipamento e a preferência pessoal.

 

• Use a medida correta. Utilize de 80 a 100 gramas de pó (aproximadamente 5 a 6 colheres de sopa) para 1 litro de  água. Se a bebida resultar sem sabor, aumente a quantidade de café. Se ela ficar amarga, áspera ou  desagradável, diminua o tempo de contato da água com o café, diminuindo a quantidade do pó.
• A água utilizada deve ser apenas aquecida – não pode ferver, pois a perda de oxigênio altera a acidez do café. A  temperatura ideal de preparo é próxima dos 90 C.
• Pelo pó de café deve passar somente água quente, jamais a bebida. A recirculação torna a bebida muito amarga,  áspera e desagradável.
• O café usado (café esgotado, borra) é o pior inimigo do sabor, aroma, da cafeteira e da sua saúde. Jogue-o fora.  Nunca o reutilize, sequer misturando-o ao café fresco. Para garantir a qualidade ideal, o café já usado e a bebida  preparada devem ficar sempre separados.
• Beba o café em xícaras de porcelana. O sabor fica destacado e a temperatura constante.
• No caso do uso de garrafas térmicas, estas devem ser muito limpas e de uso exclusivo do café.
• Nunca prepare ou armazene a bebida já adoçada porque se formará uma crosta de caramelo de sabor ruim nas paredes do recipiente.

Fonte: Abic (Associação Brasileira da Indústria de Café).

 

Estudo aponta benefícios do café para as mulheres

Café (moderadamente) faz bem para a saúde e pode ser um aliado poderoso no combate à depressão (principalmente entre as mulheres). Estas informações teriam sido apuradas após algumas pesquisas realizadas por médicos da Harvard School of Public Health, de Boston que examinaram 50 mil mulheres por dez anos, e constataram que quem bebeu apenas uma xícara de café por semana, teria 20% mais chances de desenvolver depressão em relação às que beberam quatro doses de café por dia. A comunidade médico-científica já considera o café ‘funcional’ (na prevenção de doenças) ou mesmo ‘nutracêutica’ (nutricional e farmacêutico). Isso porque os grãos não possuem apenas cafeína, mas também pequenas quantidades de potássio, zinco, ferro, magnésio e diversos outros minerais além de aminoácidos, proteínas, lipídeos, açúcares e polissacarídeos; o principal segredo benéfico da bebida seria a grande quantidade de polifenóis antioxidantes, chamados ácidos clorogênicos. Durante a torra do café, esses ácidos formam novos compostos bioativos: os quinídeos. É nessa etapa também que as proteínas, aminoácidos, lipídeos e açúcares formam os quase mil compostos voláteis responsáveis pelo aroma característico da bebida.

Fonte: Abic (Associação Brasileira da Indústria de Café)


Momento Gourmet: “Ópera de Café” da Confeitaria Romana

Ingredientes:
– farinha de amêndoas
– extrato de café
– manteiga
– cacau italiano
– ovos
– açúcar

Modo de preparo:
Bater os ovos com açúcar até ficar uma mistura esbranquiçada, em seguida misturar todos os ingredientes secos e, por último, a clara e a manteiga derretida. Espalhar em uma forma de silicone e assar em forno pré- aquecido por cerca de 10 minutos. Creme:  fazer um marshmallow com água e açúcar, acrescentar a manteiga em temperatura ambiente. Acrescentar extrato de café a gosto e cobrir com ganache de chocolate.

Ópera de café


Confeitaria Romana

Barão Geraldo – Campinas/SP
Rua Maria Tereza Dias da Silva, 790. Fone: (19) 3289.1400

Cambuí 24 Horas – Campinas/SP
Rua Cel. Silva Telles, 463. Fone: (19) 3252 – 7000

Parque D. Pedro Shopping – Campinas/SP
Entrada das Águas. Fone: (19) 3209 – 0171

Confeitaria Romana de Itatiba/SP
Av. Maria de Lourdes Abreu, 98. Fone: (11) 4534.1658


Por Mayara Veiga
Gargantini Comunicação
Jornalista
mayara@gargantini.com.br
www.gargantini.com.br
(19) 3645-6566

 

Data de publicação: 18/04/2012

 

Insira seu email no campo abaixo para receber nossas dicas e notícias

Insira seu email no campo abaixo para
receber nossas dicas e notícias