0 comentários fechados

O restaurante é o primeiro em Maceió a servir o café sombreado pernambucano.

O restaurante Picuí, de Maceió, Alagoas, já esta servindo em seu cardápio o café Yaguara, produzido na Fazenda Várzea da Onça, em Pernambuco. A parceria fechada entre o chef Wanderson Medeiros e a empresária Frances Peebles vai garantir mensalmente um carregamento inicial de 20 quilos do café Pôr-do-Sol ao restaurante. “Deixamos de servir um café sem expressão para oferecer aos clientes do Picuí um produto de qualidade muito superior, nordestino e com certificado de sustentabilidade.”, afirma Wanderson.

O novo café servido no restaurante (R$1,90 a xícara) é aveludado e complexo em aromas e sabores, com uma doçura natural repleta de toques de cacau e frutas secas. Para ser tão bom o Yaguara é plantado em baixo das copas de grandes árvores frutíferas e de madeira-de-lei, nativas da área da Fazenda que fica na Serra da Borborema. Jatobá, Pau-Brasil, Jaqueiras, Mangueiras e várias outras espécies dispersam os raios do sol que alcançam os cafezais. O processo de amadurecimento sombreado do fruto é mais demorado e faz com que os açúcares naturais de cada grão se desenvolvam plenamente. “Esses açúcares são responsáveis por um sabor distinto, resultando numa xícara de café de gosto superior”. Explica Frances Peebles, proprietária da Yaguara. A cereja do cafezal só é colhida em seu momento máximo de madures e durante o beneficiamento ainda passa por dois processos rigorosos de seleção do grão, para só então partir para a secagem.

A torra também é um diferencial da Yaguara. Para cada safra o processo no forno é adaptado de acordo com as características dos grãos colhidos. Além disso, a torra só acontece após o pedido do cliente. “O café possui um melhor sabor nas primeiras duas emanas após ter sido torrado.”, avisa Frances. Quando o café torrado é exposto ao ar ele oxida e perde em aroma e sabor. “Como nós torramos o nosso café na hora, nossos clientes recebem uma torra mais fresca.”, explica a especialista. 

O café plantado na Várzea da Onça é do tipo arábica typica, um dos primeiros a ser cultivados no Brasil, chegando ao país em 1727. Ele é de uma variedade mais rara e que cresce em altitudes elevadas, produzindo um grão denso e saboroso. A Fazenda tem condições geológicas e climáticas ideais para este cultivo, fortalecidas ainda mais pelo manejo sustentável do solo que garante um equilíbrio ecológico na área de produção. Pra se ter uma idéia, o esterco das cabras e porcos da Fazenda é coletado, curado e transformado em adubo para as árvores. Após a colheita as cascas dos grãos são adicionadas a compostos de matéria orgânica que servem como adubo. Sementes de árvores nativas são constantemente coletadas e plantadas em um viveiro, as mudas são replantadas em seguida no campo. As flores dessas árvores plantadas alimentam as abelhas de apicultura da Várzea, que por sua vez ajudam a polinizar as plantações da fazenda.

No Picuí o café expresso Pôr-do-sol da Yaguara ganhou um delicado acompanhamento do chef Wanderson Medeiros, que criou um biscoitinho crocante de mel de engenho e canela. “Quero variar as receitas que acompanham o café para valorizar ainda mais este nosso novo produto.”, afirma o Chef. Os clientes do Picuí que quiserem levar o café Yaguara pra casa podem. Na Lojinha do restaurante são vendidos pacotes de 333g (R$ 19) do grão torrado e moído especialmente para o coador tipo papel ou pano.

Além da inovação no cardápio em breve o Picuí irá receber a especialista Frances Peebles para ministrar cursos para baristas e falar mais sobre os processos de produção do Café.

Restaurante Picuí
Av. da Paz, 1140, Jaraguá, Maceió, Alagoas
(82)3223-8080 www.PICUI.com.br
Funcionamento: Seg. à Sab: 11h às 22h  Dom: 11h às 20h

Fonte: Gastrô Comunicação
Juan Corbalán – 61. 8107. 0810
www.GASTROCOMUNICACAO.com

Data de publicação: 13/12/2010

 

Insira seu email no campo abaixo para receber nossas dicas e notícias

Insira seu email no campo abaixo para
receber nossas dicas e notícias