Durante anos, nos aterrorizaram com o açúcar. Não era apenas desaconselhável, era mortal para pessoas com diabetes. Afinal, descobriram que não é bem assim.

Açúcar é energia. Carboidrato é energia, algo como o combustível para um carro. O sujeito que elimina o carboidrato e passa a viver de bife e salada tem dores de cabeça, sente fraqueza, produz menos, fica largado de dar dó. E sem graça nenhuma. Sim, tudo na vida tem dois lados, e os grandes vilões do diabetes funcionam como agentes duplos. Podem fazer mal em excesso, mas quando bem dosados, combinados como se devem, vão, inclusive, melhorar sua saúde. E seu estado de espírito. Às vezes, esses pequenos crimes compensam. E vamos combinar que uma pitada do que é proibido só faz bem para a vida…

Como tudo que é sedutor, os bandidos da comida vêm cercados de incoerências. Veja, por exemplo, o chocolate: é uma bomba calórica, engorda – até porque parece impossível comer um só –, mas sua própria gordura faz com que a muita glicose que ele contém demore mais tempo para ser absorvida pelo corpo. Aquele brownie de sobremesa devorado com “hummms” vai ser perdoado no juízo final da taxa de glicemia, ainda mais se antes você comeu muita salada, alguma proteína e reduziu o carboidrato. E ele ainda estimula a produção de serotonina, o que faz proezas pelo bom humor, em particular para mulheres durante a TPM (tensão pré-menstrual). Conheça outros malvados do diabetes, mas que, com jeito, se tornam amigos da sua saúde:

Carboidratos: Como já dissemos, é a contagem de carboidratos que vai regular sua taxa de glicemia – e manter seu diabetes sob controle. Carboidrato é 100% açúcar, assim que entra no corpo é glicose pura, mas sem ele a gente não vive. Um erro comum do sujeito que palpita na alimentação de quem tem diabetes é dizer que é preciso cortar os carboidratos. Jamais. De 50% a 60% da sua refeição deve ser de carboidratos: um pouco de arroz, ou batata, ou macarrão. O que não pode é comer demais.

Pão francês: Será possível que alguém neste mundo consiga viver sem pão? E o pão francês quentinho, estalando, a manteiga derretendo por cima, uma xícara de café ou café com leite fumegando para acompanhar? Pecado é impedir quem tem diabetes desse prazer, isto sim rouba algumas horas de vida: a infelicidade de ver o vizinho de mesa abocanhar o pão. Agora, é preciso lembrar que um pão francês contém 28 gramas de carboidratos, então segure seus ímpetos e coma um, só um… Com manteiga, margarina, requeijão, por favor, para retardar a elevação da glicemia. Esse um que vai trazer prazer insuspeitado para o seu dia…

Milho: Esse provoca a falsa impressão de alimento totalmente amigo. Como vem da terra, é natural, muitos comem espigas de milho ou se empanturram de pipoca achando que está tudo certo. Não está: uma espiga de milho, pura, tem 28 gramas de carboidrato, o mesmo que um pão francês. Pipoca, então, numa única xícara de chá há 10 gramas de carboidratos. Consumindo umas 3 xícaras, lá se vão 30 gramas, mais do que um pãozinho. Milho é ótimo, mas lembre-se: se for comer, atenção ao horário e aos carboidratos que você está ingerindo.

Frituras: Gordura não faz subir muito o açúcar do sangue, eis a boa-nova. Só 10% da gordura entra no corpo como açúcar. A gordura ainda faz com que o carboidrato leve mais tempo para ser absorvido pelo organismo. Parece ótimo, não? O outro lado é que gordura demais, além de aumentar o peso, entope as artérias (pessoas com diabetes têm mais risco de desenvolver doenças cardíacas), aumenta o mau colesterol e deixa a pele horrorosa. Como em tantos quesitos da vida, o bom senso é a alma do negócio. Não se prive da coxinha, da batata frita, do hambúrguer divino. Mas COMA POUCO. Viver de frituras não é bom para ninguém, muito menos para quem tem diabetes.

Bebidas: Dizem os médicos que a primeira pergunta do paciente que acaba de descobrir que tem diabetes é: doutor, então não vou mais tomar cerveja? Vai, vai sim, e vai seguir o Ministério da Saúde: beba com moderação. E se beber, não dirija. Lembre-se que a bebida é calórica, aumenta o peso e marca presença, petulante, naquele pneuzinho ao redor da sua cintura. No mais, uma bebidinha de vez em quando tempera a vida, e moças e rapazes não tão interessantes ganham charme extra quando você bebe. Mas, toda vez que encarar aquela caipirinha, a cerveja com os amigos, o vinho do jantar especial, coma alguma coisa. Sempre coma, para não passar mal. E controle sua glicemia, claro. Muita atenção na hora de beber!!! Importante: O álcool pode provocar hipoglicemia.

Leite: O leite tem lactose, que é uma forma de açúcar. Mesmo os leites desnatados têm lactose. A diferença está na quantidade de gordura (assim como iogurtes, coalhadas, creme de leite etc.), então é preciso ir com calma com o leite. E, se estiver na dúvida sobre qual leite escolher, verifique se o seu peso e o seu colesterol estão normais. Caso seja necessário diminuir a sua ingestão de gorduras, fique com o desnatado, o semidesnatado ou a bebida de soja.

Peso alto: Um inimigo – desculpem o trocadilho – dos grandes para o diabetes. Pessoas que têm diabetes tipo 2 em geral são obesas ou estão acima do peso. Os maus hábitos alimentares e a falta de exercícios acabam provocando o surgimento do diabetes. Quando o medico diagnostica a doença, pede imediatamente que a pessoa faça dieta para emagrecer. Isso pode desanimá-lo, se for o seu caso, porque é difícil mudar os hábitos alimentares. Mas a coisa boa é que você vai aprender a se cuidar, a descobrir novos prazeres alimentares, a curtir fazer exercício, a ficar de alma leve.

Preconceito: Taí o vilão número 1 do diabetes. O preconceito começa com o próprio paciente (“Muitos nem contam para ninguém que têm diabetes, com vergonha”, fala a dra. Denise Reis Franco), que tem medo de afastar os ami- gos, os parentes, ou medo de ouvir muito palpite. Bem, palpite você vai ouvir, muita gente vai querer ajudá-lo, o que é ótimo. Só que muitas vezes seu amigo, sua vizinha, aquele tio bacana estão desatualizados. Fundamental mesmo é seguir as atualizações dos profissionais de saúde que o acompanham (médico, nutricionista, enfermeiro, professor de educação física, psicólogo) e aprender a conhecer seu corpo. Procure sempre se informar sobre as mudanças no tratamento do diabetes. Como você está vendo aqui, quem tem diabetes pode levar uma vida normal, alegre, produ- tiva, só precisa seguir alguns cuidados.

alimentos para Diabetes Fonte: Livro Comida que Cuida 2 – Diabetes

Veja também:

Tenho diabetes tipo 2, o que posso comer?

Dicas de alimentação para quem tem diabetes

Lista de frutas e sucos ideais para diabéticos

Data de publicação: 29/08/2012

1 Comentário para Diabetes: o que posso comer?

  1. sandra suely disse:

    sobremesas para diabeticos

Insira seu email no campo abaixo para receber nossas dicas e notícias

Deixe seu Comentário





* Campos obrigatórios

Insira seu email no campo abaixo para
receber nossas dicas e notícias