A origem do crepe é antiga. Eles são consumidos de várias formas há muitos anos. Os crepes sempre estiveram presentes em muitas regiões da Europa e podem ser feitos com vários tipos de grãos: arroz, trigo, milho, etc. Um “galette”, antigamente era uma espécie de mingau feito com farinha integral e não refinado, aberto numa fina camada e deixado ao sol para secar. Alguns dizem que o crepe nasceu quando uma mulher acidentalmente derramou um pouco deste mingau no fogão e percebeu que ele cozinhava rápido, era fácil de virar e, principalmente, era delicioso! (As melhores receitas, freqüentemente, nascem por acaso).

Historicamente, “la galette” era consumida diariamente, como o pão é hoje. A primeira receita de crepe que se tem notícia foi encontrada na França, por volta de 1390 em um livro chamado “Manger de Paris” (“Comida Parisiense”). O autor explica como fazer crepes com farinha de trigo integral, ovos, água, sal e vinho. Eram cozidos numa mistura de banha de porco e manteiga e polvilhadas com açúcar antes de serem servidos.

Na Europa os crepes se popularizaram muito. Este fenômeno é atribuído por alguns à Renascença e ao desejo que Victor Hugo expressou de ser um de “Les Miserables” na hora da refeição. Desta maneira, Victor e seu vizinho, Vicente da Vinci, começaram a aprimorar o crepe e divulgar o prato por toda a Europa através de uma “crêperie”.
O segredo de um bom crepe começa pela massa, que deve ser fina e suave. Para obter um crepe mais suave, deixe a massa de repouso depois de preparada, por 30 minutos. Em seguida, bata mais um pouco e prepare os crepes. Neste período o glúten da farinha de trigo se “abranda” e assim a massa dá um melhor resultado. Se ficarem grumos na preparação da massa do crepe, passe-a por uma peneira. Evite usar o liquidificador no preparo da massa.

A frigideira ideal para crepes é de ferro fundido, um bom condutor de calor, o que faz com que o cozimento se dê de modo uniforme. Recomenda-se uma frigideira de 18 e 22 cm de diâmetro.

Quando se adiciona açúcar à massa, é necessário cozinhá-la em fogo baixo. O açúcar faz a massa dourar mais rápido e as bordas podem ficar secas e escuras. Lembre-se de limpar eventuais respingos de massa da borda da frigideira, com papel toalha, se ainda estiverem moles, ou com uma espátula própria para antiaderentes.

Você pode preparar crepes com antecedência e conservar em geladeira (por até 2 dias) ou no freezer (por cerca de 1 mês). No segundo caso, à medida que for empilhando os crepes, disponha uma folha de papel-manteiga umedecida e espremida. Guarde-os em um recipiente com tampa.

Crêpe Suzette – O Mais Célebre dos Crepes
O crêpe Suzette é uma sobremesa da cozinha tradicional francesa. O crepe Suzette é uma maneira de cozinhar os crepes, que consiste em barrá-los com uma manteiga perfumada com sumo e raspa de tangerina e um licor de laranja amarga, dobrá-los em quatro, regá-los depois com uma mistura de licores e servi-los em chama.

Fonte:  Guia GPHR
Data de publicação: 19/10/2009

 

1 Comentário para Curiosidades sobre o crepe e seu sucesso

  1. Macedo Nunes disse:

    Boa matéria, para quem não conhece o crepe francês, tem uma ótima informação.

Insira seu email no campo abaixo para receber nossas dicas e notícias

Insira seu email no campo abaixo para
receber nossas dicas e notícias