Alta concentração de selênio na noz reduz a incidência de câncer, colesterol, doenças do coração e neurodegenerativas.

Preterido na dieta alimentar dos brasileiros, o consumo da castanha-do-pará ganha força apenas nas festas de fim de ano, mas seu consumo diário deve ser estimulado, devido à riqueza nutricional que oferece.

Pesquisas recentes indicam que ingerir uma castanha diariamente pode ser um poderoso suplemento alimentar, graças à alta concentração de selênio, o mineral antioxidante que protege o organismo dos efeitos dos radicais livres. É isso o que aponta um estudo da Universidade de Otago, na Nova Zelândia, que comprova que a ingestão diária de duas castanhas-do-pará pode elevar em 65% a quantidade de selênio na corrente sanguínea.

Outro levantamento recente, feito pelo Laboratório de Minerais da USP (Universidade de São Paulo), recomenda o consumo de 55 microgramas de selênio por dia, em consonância com as sugestões internacionais RDA (Recommended Dietary Allowances) de 55 a 70 microgramas diárias. Cada unidade de castanha-do-pará possui aproximadamente 59 microgramas de selênio, o que sugere que o consumo de uma castanha por dia atenderia a exigências diárias desse importante mineral.

O selênio se liga a algumas proteínas já existentes em nosso corpo para formar essas enzimas antioxidantes. Na ausência dele, as tais enzimas ficam sem atividade e, então, deixam de combater os radicais e ainda desguarnecem as defesas do organismo. O mineral da castanha também teria um papel especial na proteção do cérebro. É que, com essa capacidade de acabar com a farra dos radicais livres, as células nervosas seriam preservadas, evitando o surgimento de doenças neurodegenerativas com a idade.

A tireóide também funciona melhor na presença do selênio, isso porque, se não houver esse elemento, ela não consegue produzir direito seus célebres hormônios. O mineral também está intimamente associado à capacidade de o organismo se livrar de substâncias tóxicas, ajudando-o inclusive a expulsar possíveis metais pesados que se alojam nas células.

Em termos práticos, a noz é capaz de prevenir e reduzir a incidência de câncer, colesterol, doenças do coração e neurodegenerativas, como Parkinson e Alzheimer, além de fortalecer o sistema imunológico.

Data de publicação: 17/03/2010

 

3 Comentários para Antioxidante na castanha-do-pará é arma contra os radicais livres

  1. LENA disse:

    Adorei as informações sobre esse poderoso antioxidante. Passarei a incluir a castanha a partir de amanhã em minha alimentação.Obrigada pela valiosa informação.

    • LENA disse:

      Pretendo ser informada sobre a romã, pois minha mãe só utiliza para remédio e nos dá contra crises de garganta. Qual a outra utilidade dessa fruta?

  2. mireline disse:

    quem tem diabete pode comer a castanha do pará?

Insira seu email no campo abaixo para receber nossas dicas e notícias

Insira seu email no campo abaixo para
receber nossas dicas e notícias