0 comentários fechados

Considerada uma das festas mais importantes da cristandade, a Páscoa será celebrada, neste ano, no próximo dia 4 de abril, domingo. Até lá, os cristãos passam pelo tempo da quaresma, que marca os 40 dias em preparação para a data. Durante este período, o jejum ou abstinência de carne vermelha, principalmente nas sextas-feiras, são seguidos pelos fieis como uma forma de penitência e preparo para a festa.

O consumo der carne vermelha é substituído muitas vezes por peixes. Confira os nutrientes e benefícios que alguns peixes e frutos do mar podem proporcionar em pratos que são muito preparados nesta época do ano, mas que podem, inclusive, serem mais aproveitados durante todo o ano. As dicas são de Flávia Sguario, nutricionista clínica funcional da Paraná Clínicas Planos de Saúde Empresariais.

Salmão: tem grande destaque nutricional por possuir acido graxo ômega 3, que ajuda na prevenção de doenças cardiacas além de aumentar o HDL, que contribui na redução do colesterol plasmático total. O ômega 3 ajuda a manter o sangue “fino” e menos viscoso, diminuindo assim as chances de um ataque cardiaco ou derrame, e reduzindo também a pressão arterial. Combatem também a artrite e a psoríase (inflamação na pele), e os estudiosos acreditam que o óleo dos peixes também ajuda a evitar que as células cancerígenas progridam para um estágio de tumor.

Valores Nutricionais do Salmão

Porção: 100 g
Kcal: 117
Carboidrato: 0
Proteína: 18,3
Gordura: 4,33
Fibras: 0
Colesterol: 23

Sardinha: foi um dos primeiros tipos de alimento a serem enlatados no início do século XIX. É geralmente enlatada em óleo ou molho de tomate, e os portugueses desenvolveram este processo como uma arte, preservando sardinhas em azeite de alta qualidade, criando, assim, uma iguaria extremamente delicada e saborosa. As sardinhas são ricas em diversos nutrientes, destacando-se entre eles o ácido graxo ômega 3. Os ácidos graxos são um dos maiores responsáveis pelo bom funcionamento do coração.

São conhecidos também como alimentos para o cérebro. Na realidade, o cérebro é constituído de 60% de gordura e necessita de ômega 3 para um perfeito funcionamento. Recentemente, cientistas descobriram uma relação entre as variações de humor e baixos níveis de ômega 3. Ou seja, os ácidos graxos mantêm os pensamentos, as reações e os reflexos do cérebro em harmonia, e asseguram que as células receptoras reconheçam os sinais de humor fornecidos pelos neurônios.

Atum: repleto de nutrientes, o atum é um peixe de águas frias e profundas que auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares, indicado para as gestantes e é extremamente versátil na cozinha. É uma das maiores fontes de ômega 3, ácido graxo responsável pela constituição e manutenção das membranas celulares. O atum enlatado é conservado em óleo vegetal ou água e sal, e é cozido dentro da latinha de aço sem qualquer aditivo ou conservante. Por isso, preserva mais os nutrientes do que o atum in natura, cozido em casa, que acaba perdendo os nutrientes na cocção, ou seja, após o cozimento. Pode vir em postas (chamado de sólido) ou prensado (conhecido como atum ralado).

Ostra: é um marisco do grupo dos moluscos, tal como os mexilhões e as amêijoas. Um alimento pobre em calorias e gordura e com cerca de 10% de proteinas.  Há algumas controvérsias em relação ao teor de colesterol das ostras, bem como da maioria dos mariscos. Mas, atualmente, os especialistas acreditam que o seu consumo não implica em agravamento dos problemas de colesterol elevado no sangue. Vários estudos  revelaram que o consumo regular de marisco faz, inclusive, baixar os níveis de colesterol LDL (mau colesterol).

Apesar do conteúdo de colesterol ser elevado no marisco, a quantidade de gordura é muito pequena. Além disso, o colesterol destes alimentos não é facilmente absorvido pelo organismo. Tal como os peixes gordos, as ostras possuem ácidos gordos essenciais (ômega3 e ômega6), ainda que em menor quantidade, que protegem contra os problemas cardiovasculares.

São ótimas fontes de vitamina B12, necessária à formação dos glóbulos vermelhos e à manutenção de um sistema nervoso saudável. São também boas fontes de outras vitaminas do complexo B, como a niacina, tiamina e riboflavina. Quanto à riqueza em minerais, para além da grande quantidade de zinco, as ostras são boas fontes de cobre, ferro, potássio e selênio, que é um mineral com propriedades antioxidantes, desempenhando um papel importante na prevenção do câncer, ao lutar contra os radicais livres.

Pessoas que sofrem com ácido úrico elevado  devem evitar comer, frequentemente, e em grandes quantidades, ostras e mariscos de uma forma geral, pois são alimentos ricos em purinas (substâncias que elevam a taxa de ácido úrico no sangue).

Valor nutricional das Ostras



Porção: 100g

57 Kcal;
6 g de proteína;
4 g de hidratos de carbono;
1,9 g de gordura.

Fonte: Lide Multimídia

Data de publicação: 23/03/2010

 

Insira seu email no campo abaixo para receber nossas dicas e notícias

Insira seu email no campo abaixo para
receber nossas dicas e notícias